O brilho no olhar continua forte. Essa é a mensagem que a Unidos do Viradouro quer passar após o carnaval deste ano, muito bem estruturada, a agremiação realizou mais um bom desfile, elogiado por crítica e público, apontada como uma das favoritas ao título, dessa vez a escola terminou na terceira colocação, resultado comemorado pela maioria dos torcedores. * VEJA AQUI FOTOS DO DESFILE

Em entrevista ao site CARNAVALESCO, alguns repercutiram o resultado, na visão deles, o título da Grande Rio é incontestável, porém, eles esperavam ao menos o vice-campeonato.

Tamires Corrêa desfilou na primeira ala do desfile, para ela, foi uma emoção muito forte e ao mesmo tempo uma alegria enorme, ela conta que o enredo da escola foi o grande diferencial para esse ano e espera que a pegada continue para o próximo, a design de moda conta ainda que a comissão de frente foi muito bonita e deu o recado com muita clareza.

“A gente sempre espera o título, é algo inevitável, mas também ficamos felizes, viemos com uma força diferente, um enredo diferente, não era o que todo mundo tava acostumado, foi realmente uma carta de amor ao carnaval, depois de tudo que a gente passou, o verso carnaval te amo, pegou e isso foi muito legal. Lógico que queríamos o primeiro ou o segundo lugar, mas o terceiro tá bom e é importante estar aqui hoje no sábado das campeãs. A primeira ala ficou no meu coração já que foi a minha, mas o primeiro carro foi um luxo, assim como o primeiro tripé, da comissão de frente, quando sai o Rei Momo é a coisa mais linda, a gente sente a energia, o simbolismo do carnaval voltando foi muito lindo. Pro próximo ano a gente espera o campeonato, que a gente venha ainda melhor, que a gente possa escutar mais a comunidade, que o nosso carnaval seja ainda maior, superando o desse ano, que já veio muito rico em fantasia e alegorias, mas esperamos que encante ainda mais”, contou a Tamires.

Daniele de Souza agradeceu a oportunidade de ter participado desse carnaval pós pandemia, ainda mais em um enredo tão bonito, como o da Viradouro, para ela, o título da Grande Rio foi justo, mas que após o desfile, ela acreditava que a escola ficaria com o vice-campeonato.

“Foi um privilégio poder participar do carnaval, ainda mais depois dessa pandemia que a gente teve, o enredo da Viradouro falou muito sobre isso, desse amor que principalmente o carioca tem pelo carnaval, celebrar a vida e os encontros. Confesso que esperava o segundo lugar, a gente sempre busca o primeiro, mas a Grande Rio foi muito merecedora, foi um desfile muito bonito e impecável, a gente reconhece isso, eu admiro o trabalho que eles apresentaram, queríamos ao menos o segundo lugar, mas estar no pódio é ótimo, poder voltar no desfile das campeãs é muito bom, estamos felizes com o trabalho que a gente entregou”.

Sobre o que mais gostou no desfile, a modelo conta que o samba mexeu com ela e para o próximo ano ela espera que a escola continue com essa linha de desenvolvimento.

“Em primeiro lugar acho que foi a escolha do enredo, o samba também foi algo inusitado e uma escolha muito inteligente, diferente, inovadora, um samba em forma de carta, que fala do nosso amor pelo carnaval, como ele move o coração da gente. Espero muito mais lirismo, muito mais estado de graça, muito mais amor da avenida, muito amor, tenho certeza que a escola vai se entregar ainda mais e vir com muito mais força, com muito brilho no olhar”, contou Daniele.

Para Márcio Fernandes, de 58 anos, o resultado foi satisfatório, visto que todas as escolas se dedicam bastante para apresentar o melhor para o público, ele diz que gostou muito da empolgação do público e espera que próximo ano o título venha.

“A gente sempre espera mais, mas fiquei feliz sim, todas elas buscam ser campeãs, se preparam pra isso, mas eu acho que esse terceiro lugar foi justo, a empolgação do público e dos componentes da escola foi o que mais chamou minha atenção. No próximo ano eu espero que voltemos a ser campeões, já estamos com saudades”, destacou o corretor de imóveis.

A engenheira civil, Aline Medeiros, de 38 anos, se mostrou frustrada com o resultado da escola, ela questionou algumas notas, como a perda de pontos da bateria de mestre Ciça. Ela ainda falou que esse foi o primeiro desfile dela e que se sentiu muito acolhida pela comunidade.

“Eu esperava bem mais, não vou mentir, acho que os pontos que a gente perdeu não foram bem colocados, acho aquela questão do sapato uma lástima, a bateria eu acho que foi bem injusto, o Mestre Ciça é muito dedicado, ele ama a escola e eu acho que não merecia perder esses pontos, mas que bom que a gente não perdeu o pódio, isso que é importante. Eu sou de Recife e me apaixonei pela escola, então eu acho que a empolgação foi o que mais me empolgou, a escola me acolheu, todo mundo é tratado como se fosse família, então isso é muito importante, você não se sente mais um, se sente como parte mesmo, é bom ver todo mundo feliz. Eu espero que a gente consiga correr atrás desses pontos que perdemos e o primeiro lugar é sempre o ideal”, destacou Aline.

Foto: Allan Duffes/Site CARNAVALESCO
Comentários