Por Gustavo Lima e Matheus Mattos

A Liga das Escolas de Samba de São Paulo organizou um evento no Dia Nacional do Samba, apenas para convidados, para o lançamento dos clipes para de 2020. Dirigentes das agremiações e veículos de imprensa puderem prestigiar em primeira mão os vídeos numa sala de cinema. O espaço escolhido foi a Sala Itaú, do shopping Bourbon, localizando na Barra Funda, Zona Oeste de São Paulo.

Muito bem organizado, a entrada do cinema estava com a arte da Liga, e os convidados podiam aguardar sentados o início das atividades. Momentos antes da divulgação dos clipes, o presidente Serginho e o responsável pela comunicação, Jairo Roizen, discursaram sobre a dimensão do projeto e o que esperam do material. Ambos também comemoraram a marca de 3 milhões de views no YouTube, alcançada com os clipes do último carnaval.

“A gente tem certeza que os clipes de 2020 vão ser um grande sucesso. A gente vai tentar dobrar essa marca pra seis milhões, e o carnaval de São Paulo crescendo cada vez mais. Temos certeza que vamos chegar nessa marca com a ajuda de vocês, incentivando nos sites, para que todos curtam o produto”, disse o presidente Serginho.

A ordem de divulgação seguiu ao contrário da classificação, ou seja, as escolas que subiram do Acesso abriram a sessão do Grupo Especial, assim sucessivamente até chegar na campeã. Nem todos os dirigentes das escolas de samba estiveram presentes, mas agremiações como: Pérola Negra, Vila Maria, Gaviões da Fiel, Rosas de Ouro, Terceiro Milênio e Colorado do Brás, levaram o número máximo de pessoas permitido por entidade. O evento terminou com uma homenagem ao cantor Reinaldo, aplaudido por todos presentes na sessão.

Como são os clipes

Todos os vídeos contaram com um padrão seguido em todas as escolas, tanto Especial quanto Acesso. A parte da frente da tenda foi dividida para a bateria. As caixas se concentraram nas laterais. O tamborim ficou localizado logo em frente ao mestre, repiques e surdos atrás. Os restantes dos instrumentos leves, como chocalho, cuíca e agogô, ficaram ao lado esquerdo do mestre. Ao fundo, o coral reunia as rainhas, baianas e outros setores também. O espaço da frente ficou reservado para a evolução do casal. O foco nos personagens principais, como intérprete, mestre, rainhas, casal, também foi notado em todas as escolas. Assim como os planos de câmera, inclusive, as gravadas por drone, uma novidade que enriqueceu visualmente o produto final. Abaixo, você pode saber como foi cada clipe.

Barroca Zona Sul

O clipe da Barroca Zona Sul começa com um poema sobre Thereza, personagem principal do enredo. Em todo momento do discurso feito por uma mulher, que também compõe a ala musical, o timbal acompanha. O intérprete Pixulé e o mestre Acerola de Angola não poupam na elegância. O cantor usa um terno verde musgo, e o mestre opta pelo terno azul bebê. Outro trecho que destaca é o apagão da bateria na segunda estrofe, onde a comunidade responde com movimentos de braços, captados pela câmera. Visualmente, na parte do samba: “Da magia irmanada por odé”, a bateria se movimenta, outro ponto bem positivo do clipe da agremiação. O casal oficial não gravou, sendo substituído pelo segundo casal da escola.

Pérola Negra

A Pérola Negra traz muitas mulheres fantasiadas de ciganas, tanto as rainhas quanto componentes. Algumas pessoas do coral evoluem com bexigas em formato de estrelas. A faixa musical da escola contém muitas variações de ritmo, bossas complexas e conversa de surdos fora do convencional. O mestre, assim como alguns ritmistas, gravou com óculo escuro, sem economizar na alegria e simpatia com a câmera.

Tom Maior

O clipe da Tom Maior começa com um arranjo da bateria, onde os repiques desenham, alternando entre pele e a lateral do instrumento. A introdução conta com uma voz feminina, e que grava praticamente o clipe todo ao lado do cantor principal. Dentre todas agremiações, inclusive do Acesso, a Tom Maior foi a única que realizou uma passagem inteira no pedal. Antes de subir a bateria, a faixa traz muitos arranjos de cordas, como cavaco, violão e até banjo. Enquanto não tocavam, os ritmistas aproveitam para brincar com a câmera. O dueto com a Mayara parece dar certo. O intérprete Bruno Ribas, além de interpretar com respeito a melodia da canção, olhava e gesticulava para a cantora, demonstrando também entrosamento. Um dos compositores do samba, Gui Cruz, não escondeu a felicidade com o resultado final durante o clipe.

“É emocionante né, desde criança eu escrevo. Já perdi muito samba até ganhar alguns, e ver esse trabalho é muito emocionante. É a mesma emoção de quando eu ganhei o primeiro samba. O samba da Tom Maior tem uma mensagem muito forte para os dias de hoje, principalmente, pelas coisas ruins que a gente está vivendo. É um samba que mexe muito comigo”.

Colorado do Brás

A faixa da escola inicia com uma introdução do final da segunda estrofe, num andamento mais lento, característico do alusivo. Todos os componentes do coral trazem coroas nas cabeças, como se fizessem menção à Dom Sebastião, personagem principal do enredo. A distribuição do coral também foi diferenciada, onde as baianas se posicionavam na frente, seguido pela ala de passistas, e o restante do coral finalizando a montagem atrás. As três peças de vestimentas proporcionam um efeito positivo. Os ritmistas da bateria constantemente sorriam e evoluíam durante quase todo o clipe.

“Esse trabalho que a Liga fez, mais uma vez com organização, mostrando os clipes no cinema. Eu tava me sentindo o Brad Pitt cara” (risos). “Foi muito legal, eu gostei muito do clipe, gostei muito da gravação. Acho que a Colorado tem um samba forte, que vai impactar a avenida. O conjunto ala musical com a bateria, vem com um casamento muito legal. Eu só tenho a agradecer os compositores e à Colorado do Brás”, conta o intérprete Chitão Martins.

X9 Paulistana

Também com um alusivo cantado por uma voz feminina, a X-9 traz muitas variações de tambores, arranjos e desenhos em grande parte do samba. Todos os componentes do coral seguram duas bexigas, uma verde e outra vermelha. O casal oficial baila com traje vermelho, bastante destacado no clipe.

“Feliz com o trabalho, feliz com a comunidade, vem tudo dando certo. Ficou bonito, do jeito que a gente sempre esperou. O carnaval de São Paulo vem crescendo cada vez mais, e agradecemos a Liga de São Paulo”, revela presidente Branco.

Gaviões da Fiel

A faixa dos Gaviões Da Fiel se inicia com o samba exaltação da própria escola, terminando com um grito em resposta ao intérprete. “Quem tem o Corinthians no coração” era a pergunta, e o coral responde: “É muito mais feliz”. Nota-se também alguns componentes com bexigas em forma de coração. A frente do coral é formada apenas por velha guarda e baianas. Mestre Pantchinho, antigo principal responsável pela bateria Ritimão, gravou o clipe tocando caixa. A faixa da agremiação valoriza a parte do “Canta Gaviões”, tanto nos apagões durante o samba quanto no encerramento da faixa. A camiseta do mestre Ciro carrega a imagem do antigo diretor Wilsinho, que faleceu recentemente. Um destaque positivo é a explosão dos componentes quando a câmera se aproxima.

Mocidade Alegre

A Mocidade Alegre também começa a sua faixa com um poema que destaca o renascimento de uma nova morada, porém, diferente das demais, quem cita os versos é a presidente Solange Cruz e o intérprete Igor Sorriso. Após isso, a escola liga a parte do exaltação com o final da segunda estrofe, no trecho “É ela”, transição que enriqueceu a obra cantada. A primeira passagem do samba até chegar no segundo refrão, é acompanhada apenas por pedal, agogô e timbal. A bateria subia apenas no final da primeira estrofe, com um arranjo de quebra de Ritmo. A separação de cores no clipe também ganha destaque, o coral veste camisetas no tom vinho e as baianas com um vermelho mais forte. O casal, junto com a rainha Aline Oliveira, vestem um amarelo que casa com o restante da escola.

“Gostei muito, com energia, do jeito Mocidade Alegre de ser. Fiquei muito feliz com o resultado final, não só da Mocidade Alegre, mas de todas escolas. A Liga vem dando um suporte muito bacana, o rendimento está muito bom. Poder estar mais um ano na telinha do cinema é muito legal, achei de grande nível o evento hoje”, conta o intérprete Igor Sorriso.

Acadêmicos do Tatuapé

“Reconhece a queda e não desanima. Levanta, sacode a poeira e da volta por cima”. Com o mesmo tom de superação, a Acadêmicos do Tatuapé inicia o clipe de 2020. Um destaque da faixa é a presença da cantora Leci Brandão dividindo quase que o samba todo com o Celsinho Mody. Durante grande parte do vídeo, o intérprete demonstra muito respeito com a cantora. Os arranjos de viola, dado pelo enredo que tem características caipiras, esteve presente na introdução e até nas bossas, como o apagão no refrão de cabeça. No trecho, “Lá vem o trem, lá vai fumaça”, toda escola segue a mesma coreografia.

Águia de Ouro

A Águia de Ouro começa a faixa com andamento simples de repique. Um destaque positivo do clipe da escola é o efeito visual proporcionado pelas camisetas. O modelo da bateria e do coral era similar, o que diferencia é o detalhe de cores. Enquanto a dos ritmistas trabalha dois tons de azul, o dos componentes atrás carrega azul e amarelo. Com a imagem do drone, o conjunto fica bem favorável. Os integrantes do coral trazem lenços nas mãos que, somado à coreografia de braços, também provoca um ótimo efeito visual. Todos os ritmistas gravam com boné, com o bordado do nome da bateria “Batucada da Pompéia”. Logo no final do samba, a bateria realiza um apagão, onde a comunidade responde com palmas, e o samba volta em um tom maior.

“Eu sou suspeito de falar né. Mais um ano que a Liga fez um grande trabalho, e a gente tem que enaltecer. Foi bom demais, eu já fiquei fã do ano passado, e esse ano eu achei que ficou muito melhor. Eu adorei me ver no telão, no cinema é outra parada”, confessa o cantor Douglinhas.

Império de Casa Verde

Valorizando a cultura libanesa, o Império de Casa Verde traz arranjos de Derbakke (instrumento libanês) em grande parte da faixa, assim com as dançarinas do ventre. Até mulher carregando uma cobra de verdade, sendo focada durante o clipe, foi notado. O Carlos Junior veste um terno azul de camurça, e demonstra bom entrosamento com a câmera.

Unidos de Vila Maria

O clipe da Unidos de Vila Maria conta com uma movimentação de um dragão do folclore chinês ao fundo do coral. Ele percorre todo o fundo da estrutura, e proporciona um efeito visual atrativo pra quem assiste. A agremiação foi a única que trouxe deslocamento em todo vídeo. Os membros do coral trouxeram pompom nas mãos com as cores da escola. Os detalhes chamam a atenção nos ritmistas da bateria, bonés, camisetas e até a meia estava personalizado com o logo “Cadência da Vila”. Outro detalhe que se destaca é a personalização na camiseta escrita “Gravação do clipe 2020 da LIGASP”. O intérprete Wander Pires veste um terno com muitos detalhes, brilho e cores. Mestre Moleza brinca constantemente com a câmera nos momentos das bossas, que contém frases ousadas de caixas. A faixa da Vila Maria termina com um arranjo de bateria casando com gritos da comunidade.

Rosas de Ouro

A Rosas de Ouro traz uma eficiente variação de ritmo, com duas bossas longas e complexas, e uma delas volta com uma crescente bem ousada, assim como a frase de repiques no começo. A escola traz duas pessoas com fantasias de robôs, um em cada canto do coral. Outro ponto positivo é a coreografia de braços do segundo refrão. As baianas formam a frente do coral, todas vestidas de rosa.

“Ah ficou maravilhoso. Hoje é o dia do samba, e teve essa grande iniciativa da Liga, oportunidade pra todas escolas do acesso e especial, igualmente. Adorei os clipes, de qualidade excelente”, ressalta a presidente Angelina Basílio.

Dragões da Real

A Dragões da Real traz três balões em formato de emoji com sorrisos ao fundo do coral. A primeira passagem do refrão, antes da bateria entrar, contém desenhos de tamborim. A alegria e irreverência dos componentes foi um destaque do clipe, assim como o final da segunda estrofe. Na segunda bossa, a caixa realiza uma retomada fora do convencional.

“Queria parabenizar a Liga por mais um ano, mais um trabalho maravilhoso. Fiquei muito feliz e contente com o resultado final, com o formato do clipe, da edição. Um produto muito bom que vai chegar pro nosso povo do carnaval”, afirma Renê Sobral.

Mancha Verde

Encerrando a noite de divulgação, a Mancha Verde traz um clima de oração no clipe, mas com muita alegria por parte dos integrantes. O efeito visual das cores também é positivo, o coral veste um tom claro de azul, com imagem de jesus nas camisetas, e a bateria opta pelo verde característico da escola. O intérprete Freddy Vianna traz terços na mão esquerda. A ala musical da Mancha Verde foi a única que gravou ao lado do intérprete. Os ritmistas da bateria também trazem o logo “Gravação CD ao vivo” na camiseta, e as mulheres do agogô vestem uma coroa de flores vermelha e branca.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui