Por Gustavo Lima. Fotos: Felipe Araújo/Liga-SP

A Pérola Negra realizou neste domingo seu primeiro ensaio técnico para o carnaval de 2020 no Sambódromo do Anhembi. O treino foi marcado pela forte chuva, mas isso não impediu a comunidade da Vila Madalena de fazer um bom ensaio, pelo contrário, a escola passou segura e não cometeu erros que possam comprometer o desfile. Destaque para a comissão de frente, que apresentou um grande repertório nesta noite.

“O ensaio foi positivo, por causa da chuva a gente achou que as pessoas fossem recuar, porque choveu muito em São Paulo hoje, mas acabou vindo muita gente. Temos muita coisa para melhorar, mas para mim foi um ensaio positivo. A partir de hoje nós vamos reestruturar o que vimos que está errado para poder vir no próximo com mais segurança”, declarou a presidente Sheila Mônaco.

Samba-Enredo

A obra se destaca mais por sua letra do que pela melodia. O intérprete Daniel Collete, que está indo para seu vigésimo ano no carnaval paulistano, conduziu muito bem a escola e mostrou um grande entrosamento com a bateria do mestre Neninho. A ala musical acompanhou bem as bossas no cavaco e violão e não deixou que os componentes confundissem a letra após sua execução. Vale ressaltar que nestes primeiros ensaios, a comunidade se baseia apenas no carro de som para o canto, pois as caixas de som ainda não estão disponíveis.

“A nossa escola está muito feliz por reunir os componentes, a escola está em reconstrução. Fomos campeões do acesso em reconstrução e hoje bateu todos os recordes de componentes aqui na avenida. O diretor veio falar para mim: ‘Daniel, estou a 29 anos na escola e nunca vi tanta gente no ensaio do Pérola Negra’, e é nosso primeiro, nós viemos de um réveillon, nós tivemos apenas um ensaio e conseguimos juntar todo mundo aqui legal, cantando, a ala musical tem a senha. Nós temos estúdio na semana que vem para poder acertar as coisas, estamos no caminho e nós queremos pancada na cabeça, quero todo mundo falando que está ruim para podermos abrir os olhos e consertar. A gente quer que critique para poder consertar cada vez mais”, disse o intérprete Daniel Collete.

Bateria

A bateria do mestre Neninho é mais uma que está se adaptando ao novo regulamento que prevê mais criatividade, as famosas paradinhas. Neninho está à frente da “Swing da Madá” desde 2018 e só tirou nota 10 desde então. No título do Acesso em 2019, a bateria da escola foi um dos quesitos destaque do desfile e uma das melhores do grupo.

“O entrosamento da bateria com a ala musical está perfeito, eu ganhei um intérprete que além de mestre de bateria, diretor de harmonia e excelente intérprete, ele entende muito bem de ritmo e é um cara que o que ele me pede eu procuro fazer e o que eu peço para ele, ele procura me atender também, e a ala musical nos cavacos e violões são todos companheiros de noite. Ao meu ver está tudo certo e eles estão fazendo as bossas junto com a gente, está tudo legal. Sobre a bateria eu sou muito crítico e acredito eu que precisa sim arrumar alguns detalhes, porém a chuva veio para abençoar, então acredito que foi bom. Vou conversar com meus diretores, fazer uma reunião, o ritmo foi o andamento que eu queria, 146 BPM (batidas por minuto) e consegui distinguir todos os meus naipes. Agora é limpar as quatro bossas e ir para a pista”, comentou mestre Neninho.

Mestre-sala e Porta-bandeira

Por causa da forte chuva, inevitavelmente a evolução e o bailado do casal foram afetados. A porta-bandeira Eliana Sales teve que trocar as sapatilhas no meio do ensaio e eles só conseguiram executar a dança rápida no final, quando a chuva deu uma trégua.

“Nós estamos ensaiando desde abril, e agora quando chega nessa reta final de dezembro, janeiro e começo de fevereiro, é ensaio todos os dias, para trazer os 40 pontos e permanecer no especial, que é o objetivo da escola”, disse a porta-bandeira Eliana Sales.

“O ensaio foi positivo, a gente ensaia muito, mas também temos que lembrar que acontece imprevistos. A chuva veio para fortalecer, para lavar a alma, para ver nossa coreografia como se encaixa e graças a Deus deu tudo certo, viemos com garra, determinação e estamos trilhando um caminho legal”, falou o mestre-sala Arthur Santos.

Harmonia

A harmonia da escola foi muito bem no primeiro setor, mas teve uma queda considerável no último, alguns componentes não cantavam com a mesma determinação e alguns aparentemente nem sabiam a letra. Mas no geral, são coisas pequenas a serem corrigidas neste quesito.

Evolução

Apesar da tempestade, a evolução da escola surpreendeu e não apresentou tantas falhas. A agremiação está apostando muito em alas coreografadas, que foram separadas por camisas diferentes, algumas usando bexigas e outros com adereços de mãos, e para correção, deve-se arrumar melhor o alinhamento entre as fileiras das alas.

Comissão de Frente

Foi o quesito destaque desta noite. Os componentes da ala não se intimidaram com a chuva e executaram muito bem sua dança, intercalando coreografia do samba com uma apresentação teatral. A comissão de frente usou um tripé, onde os integrantes entravam e saíam de dentro durante a coreografia.

Buscando sua permanência no Grupo Especial do carnaval paulistano a Pérola Negra abrirá a noite de desfiles do sábado com o enredo: “Brasil Tcherain. A estrela cigana brilha na Pérola Negra”, uma homenagem aos ciganos, desenvolvido pelo carnavalesco Anselmo Brito.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui