A família portelense está de luto. Morreu nesta segunda-feira, Carlos Souza Santos, carinhosamente apelidado de Souza, aos 73 anos, após perder a luta para um câncer. Ele era solteiro e não deixa filhos. Por conta da Covid-19 não foi possível realizar velório. O enterro do corpo foi realizado nesta terça-feira, 13, às 9h, no Cemitério do Caju, Zona Norte do Rio, na presença apenas de familiares.

Souza nasceu em Bonsucesso e na adolescência descobriu o gosto pelo carnaval. Chegava a fugir de casa para participar do bloco Cacique de Ramos. Logo em seguida conheceu a Portela, que se tornou amor para a vida toda.

Aos 22 anos começou a desfilar na escola. Passou em ala, pela comissão de frente e chegou à bateria, onde comandou a ala de tamborins, no carnaval de 2004. Nos últimos anos precisou se afastar da bateria por problemas de saúde, mas continuou a desfilar pela Portela na Galeria da Velha Guarda até descobrir um câncer na próstata.

Mestre Nilo Sergio o tinha como uma grande referência: “Quando eu cheguei na escola ele era da bateria e logo acolheu. Sempre muito elegante, bem-vestido, um sambista à moda antiga. Dizia orgulhoso que era do grupo-show do Mestre Marçal e chegou a tocar com Clara Nunes. Uma enorme perda!”

O presidente Luis Carlos Magalhães, o vice-presidente Fábio Pavão e toda a diretoria da Portela lamentam o falecimento e se solidarizam com seus familiares e amigos.

Comentários