Por Gustavo Lima

Paulo Sérgio Ferreira, Serginho, é o atual presidente da Liga das Escolas de Samba de
São Paulo, o gestor irá para o décimo primeiro carnaval a frente da principal entidade do carnaval paulistano, tendo seu mandato válido até julho de 2021. Ele conversou com a equipe do CARNAVALESCO para a série “Entrevistão”, e contou sobre algumas melhorias que pretende fazer na estrutura do Sambódromo do Anhembi, mas que ainda depende da privatização ou não para poder realizar. Também prevê a Fábrica do Samba I pronta no mês de outubro.

Por que a decisão de chamar a imprensa para uma plenária sobre regulamento de carnaval?

“Eu acho que a Liga está fazendo um papel não de transparência para que não fique só aqui dentro da casa, mas que realmente passe não só para os veículos de comunicação, mas também para os admiradores, o sambista que gosta do carnaval e ele tire as suas dúvidas também dentro do julgamento. De repente, ele está vendo a apuração, vem uma nota e pelo menos ele vai ter alguma noção dos critérios, das mudanças e que a escola não foi penalizada à toa, todo material que a escola pegou é o mesmo que foi para o julgador, então nós estamos falando a mesma língua. O carnaval de São Paulo está dando um pulo maior, acho que a gente realmente precisa que o carnaval seja julgado da melhor maneira possível, isso vai engrandecer bastante o espetáculo, independente da escola que vai ganhar, e a agremiação que faça o melhor carnaval seja merecedora do título”.

A Liga está em uma evolutiva, apresentando muitas propostas para o crescimento do carnaval. Já tem algumas ideias que possam melhorar ainda mais?

“Eu acho que nós precisamos manter um pouco a nossa cultura. Provavelmente, a gente vai tentar cada vez mais que não se mude critério e nem regulamento durante dois anos, mas às vezes algumas condições também de avenida fazem a gente mudar essas questões. Nós não somos donos da razão, procuramos entender o carnaval da melhor maneira possível, e essas mudanças são só feitas dentro do que acontece, dentro das modernizações, novidades e inovações que está acontecendo dentro da pista”.

Qual foi o motivo de mudar para sábado os desfiles das campeãs?

“Na realidade é uma luta imensa que a Liga está tentando há anos e conseguimos a liberação da Rede Globo. Sexta-feira para nós é um dia útil aqui na capital, toda sexta-feira é caótica, é terrível na questão do trânsito. A pessoa trabalha o dia inteiro, chega em casa tarde e muitas vezes não vai ter vontade nenhuma de ir para avenida assistir os desfiles. A mudança maior é pra que realmente a gente consiga atrair um número maior de público colocando os desfiles das campeãs no sábado”.

Na questão estrutural do Sambódromo do Anhembi, você pensa em alguma mudança ou reforma?

“Nós dependemos muito da ação de privatização ou não, ainda tem esse impasse do governo e enquanto tiver essa discussão, fica mais difícil, mas nós gostaríamos muito de mexer na iluminação do Sambódromo. É um dos sonhos nossos, e também a questão das cabines e torres de julgadores, é outro sonho nosso tirar aquelas torres de jurados. Queremos mexer na iluminação para que o espetáculo ganhe uma cara mais de show no dia dos desfiles”.

Existe algum projeto de ação popular para os preços dos ingressos?

“Na realidade nós temos há cinco anos o mesmo valor, a Liga está até subsidiando alguns valores. Nós estamos segurando os valores dos ingressos, mas os fornecedores não estão segurando os trabalhos deles . Não está previsto nenhuma ação, e só de manter o preço realmente já é um ganho para o sambista e para as pessoas que vão frequentar o Sambódromo”.

Há alguma previsão para conclusão das obras da Fábrica do Samba?

“A previsão é pra outubro, a gente tem as eleições, mas a licitação já saiu. Nós temos mais um mês para a abertura dos envelopes, é uma obra que se chegar rapidamente, se conclui em cinco meses já em 80%. A promessa é que realmente no mandato do prefeito a obra seja concluída, porque o mais difícil é ter a verba, mas o valor já está concluído”.

Terá transmissão para os desfiles do acesso e campeãs?

“Nós estamos negociando com algumas emissoras, mas se não tivermos sucesso, nós vamos fazer pelos canais da Liga. Todos estão acompanhando os ensaios técnicos nas redes sociais, estão gostando e nós vamos tentar dar uma aprimorada para que a gente tenha uma qualidade melhor no dia dos desfiles em questão de transmissão”.

Comentários