O domingo de Páscoa é um momento onde as famílias se reúnem para celebrar a ressurreição de Cristo. Diferente do habitual, este ano as confraternizações terão que ser diferentes, cada um em sua casa e as famílias não poderão se reunir. O CARNAVALESCO conversou com sambistas para saber como eles passarão essa data festiva e tão familiar.

Thiago Diogo explicou que normalmente a família se reunia, fazia samba e que este ano ficará com sua mãe.

“Geralmente, reunimos a família toda, sempre rola um samba aqueles casos de família, mas este ano estamos guardando a quarentena com o restante da família para que logo possamos nos abraçar e festejar o fim desta fase complicada. Como filho único vou estar com minha mãe que segue o tratamento médico e estamos seguindo todos os cuidados com ela. Não pode faltar, em primeiro lugar nossa oração em agradecimento e todo ano variamos o cardápio do almoço da mamãe e suas sobremesas dão sempre um toque especial”, afirma o mestre.

Diogo Jesus, mestre-sala da Mocidade, falou da sorte de morar no mesmo prédio que alguns de seus familiares e por isso conseguirão se reunir, tomando os devidos cuidados.

“Eu tenho a sorte de morar perto dos meus familiares, moro no mesmo prédio que mora minha tia, minha avó e irmã, mas com o distanciamento social o restante da família não vai poder estar. Estaremos com nossos corações juntos e rezando para que tudo isso passe logo”, explica o mestre-sala.

Entregando na parte da manhã duzentos ovinhos de Páscoa para crianças do projeto que lidera, Selminha Sorriso explicou que fará no almoço rabada com batatas no almoço com seu filho e namorado, Magal.

“Neste domingo eu vou entregar duzentos ovinhos de Páscoa para as crianças do projeto e vou entregar no domingo pela manhã. No almoço vou fazer rabada com batata e agrião, pirão, arroz branco e uma sobremesa que será provavelmente pudim, vão estar comigo meu filho e o Magal. Graças a Deus vivemos na Era Digital, podemos ver e falar com qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo, então alivia um pouco as ausências”, explicou Selminha.

O mestre-sala, Diogo, falou que em sua família é essencial e não pode faltar as trocas de chocolate.

“Vai ser uma Páscoa em que devemos voltar nossas atenções para o amor das pessoas que são próximas a gente e até mesmo as pessoas que não são próximas. Estarei em família, com meus irmãos, avó, tia, filha e esposa. O almoço aqui é variado ano após ano, pois não temos uma receita que tem que ter todo ano mas o que não pode faltar são as trocas de chocolate em família”, comenta Diogo.

Selminha falou que o momento é positivo para estar próximo da família e cuidar da casa, a porta-bandeira ainda deixou uma mensagem otimista e acredita que esse distanciamento necessário passará em breve e que a humanidade de forma geral irá evoluir.

“Estou bem, em paz, seguindo as orientações das autoridades, fazendo meus exercícios. Esse isolamento é uma forma de cuidar dos seus, de cuidar do próximo, da família do outro e nesse momento para conseguir isso precisamos fazer esse sacrifício. Saudades das pessoas, saudade da rotina. Temos que nos manter conscientes e a serenidade, desapegar um pouco das coisas que você tinha em sua rotina. O ser humano vai mudar muito depois dessa pandemia, a tendência é melhorar como cidadãos e seres humanos, foi nos dada a chance de nos conhecer, conhecer nossa casa, rever hábitos. Temos que acreditar que vai melhorar”, disse Selminha.

Comentários