Por Lucas Santos. Fotos: Magaiver Fernandes

Seguindo o modelo já consolidado na escola nos últimos anos, a Renascer de Jacarepaguá apresentou o samba para 2020 que foi encomendado aos autores Cláudio Russo, Moacyr Luz e Diego Nicolau. A apresentação oficial à comunidade foi marcada por feijoada e pela participação das co-irmãs Unidos de Padre Miguel, cujo intérprete para 2020 é o compositor Diego Nicolau, e a Imperatriz Leopoldinense.

Com o enredo, “Eu que te benzo, Deus que te cura”, a escola aposta na fé e sabedoria das benzedeiras apresentando a história destas tradicionais mulheres que usam a oração para proporcionar a cura física e espiritual. Após o intérprete Leonardo Bessa entoar alguns sambas de anos anteriores, uma encenação apresentando uma rezadeira curando um doente no palco, precedeu o canto do hino de 2020.

A encomenda de sambas nos últimos anos tem rendido a escola obras que receberam muitos elogios como a música do enredo de 2017, “O papel e o Mar”. Mas, para os compositores o segredo não está na encomenda e sim nos temas escolhidos.

“Acho que antes de o segredo do sucesso dos sambas ser a encomenda é o fato de que a Renascer tem primado por excelentes enredos. É muito mais provável que de um grande enredo saia um grande samba. A Renascer ajuda os compositores a fazer grandes hinos. Acho que desse samba de 2020, a letra seja uma das mais inspiradas que nós fizemos e acho que por falar de fé em uma escola que é muito família, né, faz com que renda bastante”, explica Diego Nicolau.

Cláudio Russo também citou a importância das escolhas de enredo da Renascer para o processo de confecção do samba, mas citou algumas vantagens que a obra por encomenda traz no geral.

“Eu acho que o sucesso da Renascer tem relação com a belíssima escolha do enredo. Isso é que tem sido o diferencial. E eu acho que a vantagem da encomenda é que a gente arrisca mais, a gente pode arriscar porque se a escola não aprovar alguma coisa nova, a gente volta e faz de novo. Na final os compositores arriscam menos com medo de saírem cedo da disputa”.

Ambos os compositores, foram unânimes no entendimento de que o processo tradicional de concurso de sambas deva sofrer mudanças significativas.

“Eu não sei se a encomenda é o melhor negócio no geral. Até acho que não seja. É preciso baratear a disputa como algumas escolas fizeram, Mangueira, por exemplo. O mais especial desse samba é a alma dele. O samba tem alma. É verdadeiro. Esse samba fala muito da nossa raiz. Eu e os nossos parceiros tentamos trazer a alma das rezadeiras. E ela aparece a partir do momento que a gente faz o samba como uma pessoa que está doente e pede a ajuda delas”, conta Cláudio Russo.

“Eu acho que falando do processo tradicional das disputas precisa passar por uma reformulação, precisa reaproximar os compositores, que não tem dinheiro mas tem talento, da disputa dando a eles a chance de vencer. Acho que criar mecanismos que corte os gastos desnecessários é importante” aconselha Diego Nicolau.

Já o presidente Antônio Carlos Salomão prefere valorizar a beleza das obras que a Renascer tem levado para o carnaval. O dirigente também deu de ombros a incerteza de verbas para a série A.

“Olha só, não vai ser surpresa né? Há cinco anos que eu venho com os melhores sambas do carnaval. Esperava já uma grande obra, né, vindo do Moacyr, do Diego e do Cláudio. Fui anteontem na gravação para botar a base e está muito legal. Veja só, vou fazer o carnaval como todo ano se faz. Não adianta! Presidente de escola de samba é maluco, é otário, é alienado. Mas, presidente bota a escola na rua. Não pergunta como, porque ninguém sabe responder isso. Em alguns funciona melhor, em outros é pior, mas a escola vai pra rua do mesmo jeito”.

Para o diretor de carnaval da Vermelha e branca de Jacarepaguá, Macaco Branco, a encomenda de sambas é um modelo necessário no contexto atual que tem se consolidado na Renascer.

“A Renascer já vem adotando esse modelo de encomenda já há algum tempo e tem sido muito positivo para a escola, pois tem trazido notas boas e a escola tem feito grandes desfiles. Acaba sendo bom pra escola a encomenda, porque hoje pra gente abrir uma quadra para disputa de samba acaba sendo muito caro, a gente tem um custo muito alto. Isso começou na época que a escola ficou sem quadra devido a obra do BRT, e aí não tinha como ter disputa de samba. E deu muito certo isso. E por não ter dinheiro para estar fazendo eventos na quadra, o presidente Salomão, até por essa crise, optou por continuar a encomendar o samba”.

Macaco Branco também se disse tranquilo para conciliar o posto de mestre de bateria da Vila Isabel com a função exercida na Renascer.

“Eu sou um cara pilhado. Sempre gostei de carnaval e gosto de trabalhar. Essa função de diretor de carnaval eu gosto e já fui em outras agremiações. É só conciliar a agenda. E eu ainda sou músico da Mart’nália”.

Leonardo Bessa falou da emoção de voltar ao carnaval do Rio e prefere deixar a decisão do modelo de escolha do samba para a definição de cada escola.

“É uma satisfação muito grande e uma alegria, e sobretudo uma certeza de que estou seguindo o caminho certo, e graças a Deus recebi um grande presente da Renascer com esse samba belíssimo que eu vou ter a honra, o prazer e a responsabilidade de cantar ele na Avenida. Cada escola sabe o que é melhor pra si. Na Renascer tem dado certo, a parceria de Moacyr Luz, Cláudio Russo e Diego Nicolau tem oferecido ao carnaval sambas belíssimos”.

Ney Junior elogia direcionamento cultural da escola

Estreando na Renascer em 2020, o carnavalesco Ney Junior já passou por grupos de base. Agora na Renascer, Ney elogiou os últimos enredos que a escola apresentou e definiu o tema desse ano como algo a altura da agremiação de Jacarepaguá.

“É uma honra trazer um pouco da minha arte para uma escola que tem desfiles muito culturais e muito bons. Os resultados são uma consequência do trabalho. A gente está bastante organizado esse ano para que a gente possa não errar tanto. E o enredo causou um grande impacto no mundo do samba e a gente pretende fazer com que a renascer venha brigando e possa passar uma mensagem acima de tudo de paz, acima de tudo de orgulho a essas pessoas que dedicam e abdicam de suas vidas em prol do bem do outro. Na produção do samba eu conversei muito com os compositores, a gente visitou muitas rezadeiras para extrair tudo aquilo que elas têm para nos oferecer”.

Bateria da Renascer virá representando marinheiros

Agora mais a vontade no cargo, já se preparando para seu segundo carnaval como mestre de bateria, Júnior Sampaio adiantou a reportagem do CARNAVALESCO que os ritmistas em 2020 representarão marinheiros e que a bateria virá um pouco maior.

“Para o meu primeiro ano como mestre de bateria, cinco meses de trabalho, muita gente saiu devido a troca e muita gente voltou, algumas pessoas que nunca desfilaram na bateria, a gente fez toda uma mudança na afinação e na estrutura da bateria e na levada, e conseguimos trazer a nossa proposta de trazer uma bateria que toque samba de uma forma tradicional,mas ainda assim, ousada, e conseguimos representar bem a escola em 2019”.

Em relação ao carnaval do próximo ano, Júnior fala em buscar a excelência.

“Para 2020, a proposta é trazer a bateria ainda mais tradicional, mais padronizada e buscar a nota máxima. Queremos subir o sarrafo”.

Casal aposta em entrosamento para melhorar desempenho em 2020

Dançando pela primeira vez na escola em 2019, o casal de mestre-sala e porta-bandeira, Luiz Felipe e Thainá Teixeira, acredita muito na manutenção do trabalho dedicado para alcançar resultados melhores em 2020.

“No carnaval de 2019 nossa rotina de ensaio foi bem intensa. E a gente ficou muito feliz porque no dia do desfile conseguimos fazer aquilo que a gente preparou. Para 2020 a gente pretende mudar algumas coisas, até porque a gente vai trabalhar em cima das justificativas dos jurados, mas sem ficar neuróticos por isso e acreditando em tudo. Tem coisa que a gente não concorda, mas trabalhando em cima do geral e manter a preparação forte e intensa”, acredita Thainá.

“A gente mantém a garra, mas o mais importante pra 2020 é que o entrosamento é maior, a gente já tá se falando no olhar, um já sabe o que o outro vai fazer. Em 2019 foi o primeiro ano juntos e agora já nos conhecemos mais. Com o samba já definido vai ficar mais fácil para a coreografia”, disse Luiz Felipe.

Sobre o figurino para o carnaval de 2020, Thainá Teixeira adiantou um detalhe ainda preservando muito da surpresa.

“Nós já vimos o protótipo, está lindo. Nosso figurino é irreverente, e assim, é uma surpresa. Foi uma surpresa para gente e dentro do enredo é algo inesperado, mas vai ser linda”.

A Renascer de Jacarepaguá será a sexta a desfilar na sexta-feira de carnaval pela Série A. “Eu que te benzo, Deus que te cura” é o título do enredo da escola.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui