Para quem ama carnaval e as escolas de samba não há como negar a ambiguidade de sentimentos vividos nesse ano de 2021. Se por um lado foi reconfortante ver sambistas aos poucos sendo imunizados contra a Covid-19, por outro lado foi doloroso receber a confirmação de que não haveria carnaval nesse ano. Foi a primeira vez, desde a criação do desfile das escolas de samba em 1932, que não houve carnaval. Nem durante a segunda guerra mundial a maior celebração da cultura popular brasileira deixou de acontecer.

Seguindo a tradição dos finais de ano, o site CARNAVALESCO dá sequência à série de reportagens com a retrospectiva do ano de 2021. Na terceira reportagem da série é hora de relembrarmos os meses de julho, agosto e setembro, quando a prefeitura assinou o contrato com as escolas, a TV Globo confirmou a realização do programa especial das finais de samba enredo e as agremiações retomaram suas atividades.

Julho: Enfim, o mês das grandes notícias

Se em janeiro o prefeito Eduardo Paes confirmou o cancelamento dos desfiles que aconteceriam em julho, a chegada do sétimo mês do ano de fato veio com notícias espetaculares para os sambistas. A mais importante delas, e quiçá de todo o ano de 2021, foi a confirmação de que a TV Globo faria um programa especial com as escolhas do samba das 12 escolas do Grupo Especial. Outra grande notícia foi a assinatura do contrato das agremiações e da Liesa com a prefeitura para a realização não só do carnaval em 2022 como até o fim da gestão de Eduardo Paes, em 2024.

Com um norte de certezas no horizonte, as escolas puderam reiniciar suas programações rumo aos desfiles de 2022. O Salgueiro e a Beija-Flor iniciaram as suas disputas de samba e a Cidade do Samba foi finalmente liberada ao retorno das atividades nos barracões. A Liesa mudou para o local a sede de suas plenárias que decidiriam os rumos do carnaval. A Beija-Flor de Nilópolis anunciou que após 20 anos o seu lendário casal de mestre-sala e porta-bandeira, Claudinho e Selminha, desfilaria em outra posição no desfile da escola.

Agosto: Zeca Pagodinho dá susto e Império Serrano é eliminado do Carioca

O mês de agosto trouxe um pouco de apreensão para os sambistas. O cantor e compositor Zeca Pagodinho foi internado com a Covid-19. Tão logo a notícia se espalhou o próprio intérprete fez questão de tranquilizar os fãs. Vacinado, Zeca foi liberado do hospital alguns dias depois, tranquilizando a todos.

O projeto de disputar a Série C do Campeonato Carioca com um time de futebol não deu certo para o Império Serrano. Apesar de uma excelente campanha na competição, a equipe da verde e branca da Serrinha acabou eliminada na semifinal, interrompendo o sonho do acesso.

Fotos: Emerson Pereira/Divulgação

Em Vila Isabel, alegria com o retorno de Sabrina Sato ao posto de rainha da bateria Swingueira de Noel. Grande Rio e São Clemente iniciaram as suas disputas de samba. Cátia Drumond foi reeleita presidenta da Imperatriz e vai comandar a escola até 2024. As agremiações do Grupo Especial receberam o primeiro repasse da prefeitura e puderam iniciar a construção de seus desfiles para 2022.

Setembro: Escolas escolhem sambas e CARNAVALESCO reforça o DNA da opinião

O mês de setembro de 2021 marcou os 14 anos do site CARNAVALESCO. O veículo que nasceu com o DNA da opinião, reforçou seu compromisso com os sambistas ao apresentar durante todo o mês lives com as finais de samba não-oficiais das 12 escolas do Grupo Especial. E nos dias das escolhas oficiais, uma parceria histórica com a Rádio Arquibancada levou a opinião dos dois veículos aos amantes de carnaval.

No âmbito da Liesa, a entidade anunciou a antecipação da divulgação das justificativas dos jurados após o Carnaval 2022 e a transmissão do Sábado das Campeãs pelo Globoplay e o Multishow, veículos do grupo Globo. As frisas bateram recorde absoluto de reservas para os desfiles de domingo e segunda de carnaval.

O carnavalesco Paulo Barros sofreu um infarto em sua casa em Niterói e foi internado às pressas. Alguns dias depois foi liberado. Morreram a filha de Candonga, Cristina Candonga, o ex-rei momo, Marcelo Reis e o compositor da Estação Primeira de Mangueira, Leandro, um dia após a escolha do samba da escola.

Comentários