O empresário Roberto Medina, criador do Rock in Rio, revelou que após o Carnaval 2019 ajudará na recuperação dos rumos dos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro, que estão abalados pela relação com a Prefeitura do Rio e a falta de patrocínios privados.

Em entrevista a coluna da jornalista Marina Caruso, do jornal O Globo, Medina confirma que já foi procurado diversas vezes, mas que não tem interesse em ser parceiro e pensar em ajudar para transformação dos desfiles.

“Vou sentar com os caras (da Liesa) depois do carnaval e passar o que aprendi na minha profissão, para ver o que conseguimos melhorar para 2020. O carnaval, como está, é ruim para as escolas de samba, para a TV e para o Rio. Está tudo errado. Nenhuma empresa internacional séria, com compliance, vai patrocinar um evento sem saber a origem do dinheiro que gira ali”, disse Medina ao O Globo.

Para o empresário, o carnaval das escolas de samba precisa de transparência e organização.

“Assim como o réveillon, o carnaval é uma festa espontânea, que cresceu desarrumada. Não pode ter intervalo de 15 minutos entre as escolas, tem que ter um show no meio, fazer direito e bonito, pra ser importante para a prefeitura, para o estado e para a TV que transmite. Um investimento de R$ 200 milhões não é nada. O estado tem R$ 40 bi de receita. A prefeitura, R$ 26 bi. Não falta dinheiro, falta a compreensão de que transparência e organização são fundamentais”.

Comentários