As comunidades do Rio de Janeiro são um polo criativo repleto de destaques nas artes, na gastronomia e em muitas outras atividades. Os moradores criam, constroem e ressignificam o espaço em que vivem, tornando-o cada vez mais interessante e singular. O Rock in Rio, que a cada edição reinventa a si próprio, enxergou nas favelas o potencial de acrescentar ainda mais energia e versatilidade ao festival dando voz a esses personagens. Nesta edição, 22 atrações das comunidades cariocas estarão no Espaço Favela para representar um recorte real de toda a capacidade cultural e criativa do que acontece nas comunidades cariocas.

Com uma cenografia bem colorida e lúdica, o Espaço contará com mais de 30 apresentações de música, dança e outras manifestações culturais. Os novos anúncios,
marcam a diversidade do line-up com as batalhas de SLAM, rappers que ganharam a
internet com suas composições, cantoras e cantores de Funk novos e consagrados,
bandas de rock, jazz e heavy metal, grupo de samba e a reconhecida “Orquestra Maré
do Amanhã”, que já passou pelos principais palcos da cidade, apresentando Rock
Symphony. O Espaço Favela também receberá três apresentações diárias do grupo de
teatro Nós do Morro, com 40 componentes da companhia, sempre a partir das 14h50.

Completam o line-up os artistas já anunciados do Espaço Favela: Dughettu, Lucas
Hawkin, P-tróleo, Canto Cego, Cidinho & Doca, Jonathan Ferr, Lucas Hawkin e Tuany
Zanini. Com estilos musicais distintos, eles levarão toda a diversidade da cultura urbana
para a Cidade do Rock.

Segundo Zé Ricardo, diretor artístico da nova atração, a curadoria, que contou com a
consultoria de Gutti Fraga, criador do Nós do Morro, e do Pesquisador de Favelas, Pablo
Ramos, buscou artistas pelo talento, sem nenhum tipo de assistencialismo ou
paternalismo. A intenção foi revelar nomes que estão prontos para serem absorvidos
pelo mercado. “O Espaço Favela foi o maior desafio da minha vida profissional! Analisei
cerca de 600 artistas dos mais variados estilos para chegar nesses 21 nomes. Vamos
apresentar novos artistas e alguns já muito conhecidos oriundos de favela que tem essa
ligação com o lugar que residem, que estão ganhando espaço e já tem seu público e
redes sociais muito fortes. Estamos revelando esses novos talentos para muita gente,
para o público do Rock in Rio. É uma felicidade enorme”, conta.

Mas como nem só de música vive um festival, o Espaço também vai revelar para o
público da Cidade do Rock grandes talentos da gastronomia. Três bares montados no
local, além de uma loja, serão comandados por 20 microempreendedores, que já
possuem seus pequenos negócios nas comunidades e foram selecionados por meio de
uma parceria com o Sebrae. Eles poderão expor seus serviços e trabalho para 700 mil
pessoas ao longo do evento. Os participantes do projeto terão qualificação e suporte na
legalização da operação e, após o evento, o festival fornecerá os equipamentos para
continuar alavancando o negócio.

Comentários