Por Matheus Mattos. Fotos: Magaiver Fernandes

Quinta agremiação a entrar na avenida, a Rosas de Ouro fez uma homenagem para o país Armênia através do enredo “Viva Hayastan”. A animação dos apaixonados pela escola era visível, sentimento dado por dois fatores. Alegorias bem mais grandiosas em comparação ao ano passado e bateria beirando a perfeição técnica. O andar descompassado de algumas alas foi um pequeno ponto negativo num desfile seguro.

Alegorias

O carnavalesco André Machado defendeu durante a época pré-carnaval que o “padrão” Rosas de Ouro voltaria no desfile, e foi visto uma proposta muito próxima. As cinco alegorias estavam bem mais grandiosas, iluminadas e com bom acabamento nos detalhes. O abre-alas “Os esplendor do paraíso nas planícies de Ararat” trouxe uma grande escultura de Adão e Eva, e muita movimentação humana em baixo da arca de Noé.

A segunda alegoria “Berço de Guerreiros Fascinantes” trabalhou o dourado e com tecido de pelúcia por todo o elemento. Já no terceiro carro “A Fé cristã ilumina o destino do povo armênio” teve uma interpretação imediata pela cor e esculturas de santos. A quarta alegoria “A arte armênia – Herança enraizada nos teus filhos” trouxe cores fortes, principalmente nas esculturas do pássaro. A última alegoria, que foi o destaque do carnaval da Rosas de Ouro, contou com uma grande imagem do fundado da escola, Seo Basílio, e homenagens à outras figuras importantes.

Comissão de Frente

O primeiro quesito da escola trouxe uma forte carga emocional para os sambistas presentes no sambódromo do Anhembi, isso porque a ala homenageou as vítimas do genocídio armênio. Conta a história que aproximadamente um milhão e meio de armênios foram assassinados pelo Império Otomano, no ano de 1915, sendo considerado então o primeiro genocídio do século XX. A proposta da coreógrafa ressaltou e celebrou o renascimento do povo após o ocorrido. O tripé fez alusão a um grande monumento do país, o Museu Memorial do Genocídio. O figurino da primeira ala usou apenas a cor rosa. Os bailarinos evoluíram através de passos simples e com pouca criatividade. O tripé, modesto, que os acompanhou foi usado poucas vezes na coreografias.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

O casal oficial da escola, Edgar e Isabel, veio simbolizando o pássaro Grunk. A homenagem retrata a importância que o pássaro tem para os Armênios, porque ele está sempre voando à terra natal e levando boas notícias. O casal teve uma boa passagem em frente à segunda torre do quesito, estendo o pavilhão da forma que o regulamento. Porém a dupla sofreu com o helicóptero em frente ao setor H, o vento provocado atrapalhou o desempenho da porta-bandeira em relação ao domínio do pavilhão. A fantasia da dupla trouxe uma fantasia luxuosa e com uso variado de três cores. O casal trouxe passos modernos, mas mantendo o estilo de cortejo clássico.

Harmonia

A escola mostrou uma constância no cantar satisfatório, mas com oscilações entre setores. A segunda parte da agremiação foi a que menos mostrou empolgação ao cantar o samba. “A Rosas” e “Tem que respeitar” foras os dois trechos mais cantados pelos componentes.

Evolução

O quesito sofreu em algumas partes do desfile, não houve um padrão no andar, ele variava entre rápido, parado e lento. Em relação a composição da ala atrás da bateria, o recuo beirou a perfeição, mesmo com o ousado movimento dos ritmistas. Ala coreografada atrás da ala inclusiva destacou pela coreografia, simples e com muita movimentação em determinadas partes.

Bateria

O destaque do desfile da Rosas de Ouro foi o desempenho da bateria. Os ritmistas da Bateria com Identidade, do mestre Rafa, representaram Os Fedayiner. São grupos conhecidos como os “sacrificados” porque se organizam em ações para defender a Armênia da invasão turca. A batucada trouxe o recuo diferenciado e que se tornou característica deles. Mestre Rafa também foi o destaque, além de não economizar nas bossas, o comandante chamava os jurados e marcava o BPM (Batidas por minuto) com o braço, mostrando domínio do andamento.

Samba-enredo

O intérprete Royce do Cavaco adotou uma postura diferente do que acostumado. Em três momentos, o cantor realizou apagões na ala musical, destacando o canto da comunidade. No minuto 32 e no 43, a ala parou praticamente todo o final da segunda estrofe, só voltando no refrão de cabeça, durando cerca de sete compassos.

Enredo

A proposta da Rosas de Ouro pra esse carnaval homenageou a Armênia, país do continente europeu. A linhagem do enredo se inicia com o genocídio armênio, seguido pelas riquezas que a terra fornece. A escola aborda os guerreiros presentes na história do país, a religião, as curiosidades e finaliza com o carnaval armênio. A intenção foi vista no desfile, mesmo com a diversas informações das fantasias, a leitura não exigiu nível técnico apurado do tema.

Fantasia

Assim como nas alegorias, as fantasias também demonstraram evolução plástica. A ala “O Reino de Uratu” trouxe uma mistura de cores positiva entre dourado e azul. A proposta da entidade trouxe muito ouro e a cor rosa, principalmente no segundo setor.

Destaques

Um grande destaque emocionante do desfile foi a ala inclusiva, com deficientes auditivos, físicos e pessoas com síndrome de down. Um tradutor de libras esteve no lado traduzindo toda as orientações dos integrantes de harmonia.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui