Compositores: Xande de Pilares, Dudu Botelho, Miudinho do Salgueiro, Betinho de Pilares, Jassa, Miguel Dibo e W Correa

No morro onde o samba é dialeto
Toca o banjo do “Guineto”
Chama “Paula” de guerreira
No forro, onde o negro dá no couro
Quem apita é “Mestre Louro”
Professor é “Noel Rosa de Oliveira”
Pelas vidas revendidas no leilão
No Valongo sufocado pela argola da opressão
Tantas vozes na miséria do cortiço
Tantos gritos de excluídos e cambaios
Nessa abolição que é tão fajuta onde o negro só labuta
Ainda é 12 maio

Nasceu liberdade no ventre matamba
Pra alguns entidade, pra nós orixá
A identidade, de Keto e Angola
É o chão da escola de “Babão” e “Anescar”
Nasceu liberdade no ventre matamba
Pra alguns entidade, pra nós orixá
A mãe tempestade, a pedra que rola,
Que embola e desembola
Ao cantar meu “Sabiá”

Ê Camará ê Camará
Eu fui batizado na roda de capoeira
Resistir é meu legado
Existir minha bandeira
Sigo de punho cerrado
Com Xangô rei da pedreira

Ôô Ôô Mocambo da raça
Não teme a mordaça
Só treme afoxés
Ôô Ôô sentinela do preceito
“Bala” contra o preconceito
“Calça Larga” sobre os pés

Os pés que riscam esse chão sagrado
Mostrando ao mundo o seu gingado
Dançando seus batucajés
Onde eu nasci e fui criado
Salgueiro meu torrão amado

Não tem chave ou cadeado
Nem corrente da senzala
Meu quilombo é encarnado
Preta voz que não se cala
Quando eu pego no ganzá
“Isabel” vai pro terreiro
Arreda que lá vem Salgueiro!!!

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui