As imagens reveladas pelo site CARNAVALESCO com as quadras da Leão de Nova Iguaçu e Acadêmicos de Jacarepaguá recebendo público normalmente no final de semana causaram revolta em sambistas preocupados com repercussão ruim que essas atitudes podem causar.

A prefeitura do Rio e o governo do Estado não liberaram eventos em casas de shows e escolas de samba e pretende fazer isso apenas a partir de novembro e mesmo assim com restrições.

Leia mais: Leão de Nova Iguaçu e Acadêmicos de Jacarepaguá têm quadras lotadas em meio à pandemia de Covid-19

Em suas redes sociais o compositor Samir Trindade fez um longo desabafo e lembrou da morte do jovem Diego Tavares, companheiro de Samir e de tantos outros poetas, vitimado pela traiçoeira Covid-19.

“A passagem do nosso amigo Diego me fez refletir muita coisa errada que eu mesmo fiz nesta pandemia. Me senti muito mal com isso. Amo samba, amo fazer samba, estar no samba, meu lazer, higiene mental, parte de mim. Mas qual o sentido de irmos disputar algo que a gente não sabe quando vai acontecer? Nesse momento não faz sentido algum. Até podemos compor de casa, mas ir às quadras não tem lógica, não tem como prever com a medição de temperatura quem está com Covid, é um risco desnecessário e uma conta alta demais a se pagar. Soube que houve eliminatórias até com torcida no último fim de semana. Chega, na boa. Não dá.
Vamos segurar. Não gostaria de me despedir de mais ninguém”, desabafou.

Diego Tavares foi uma das vítimas da Covid-19.

Outro que reagiu com muita indignação foi o intérprete da Unidos do Viradouro, Zé Paulo Sierra. O sambista fez um forte posicionamento usando palavras duras para tentar trazer lucidez às pessoas de que a pandemia não acabou e a Covid-19 mata.

“Inacreditável, inaceitável, criminoso! Passou da hora de encararmos a realidade e parar de financiar esse tipo de coisa, e me incluo nisso também. Perdemos alguns amigos e perderemos ainda mais se não pararmos. Qual o sentindo? Qual a finalidade? Precisamos perder alguém próximo pra entender? Impossivel ver isso (imagens das quadras lotadas), lembrar do Diego e de tantos outros e não refletir sobre o assunto e o quanto já fizemos e estamos fazendo errado. Já deu, chega”, disparou.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui