Por Lucas Santos. Fotos: Rafael Arantes/Divulgação

Em ritmo de festa para a comunidade clementiana, a São Clemente realizou seu último ensaio para o Carnaval 2020, na Praça Corumbá, na entrada do morro Dona Marta, em Botafogo, trazendo os segmentos para celebrar o fim da preparação no bairro onde nasceu. Ainda que o local não tenha permitido que a escola evoluísse em linha reta como será no desfile oficial, o teste foi proveitoso para treinar o deslocamento dos componentes da bateria além de fortalecer o canto da escola. A Fiel Bateria foi o grande destaque do ensaio revelando algumas bossas e mantendo um bom andamento para o samba que caiu no gosto da comunidade.

O presidente Renatinho destacou o último ensaio em Botafogo como oportunidade também para uma confraternização de escola e componentes que vem treinando de forma bastante dedicada.

“Alegria. Nosso povo está muito alegre com o que vai acontecer na Avenida. Eu acho que é só esperar. Todo mundo fala Mangueira, Mocidade. As escolas grandes. Mas, ninguém conta com a alegria da São Clemente. Por isso eu estou muito feliz”.

O presidente manteve o tom otimista e cravou 2020 como o ano para a melhor apresentação da São Clemente.

“Vamos fazer um grande desfile. Eu não vou desfilar, eu vou me apresentar esse ano. Tão bonito que esta, eu garanto: vai ser o maior desfile da história da escola”.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

Desde o ano passado dançando juntos na São Clemente, Fabrício Pires e Giovanna Justo estão se entendendo muito bem e a cada ensaio o entrosamento vai ficando mais latente. Com um terreno irregular e com algumas subidas e descidas, as ruas paralelas da Praça Corumbá não permitiram aos dois, muita ousadia nos passos, principalmente ao se levar em conta a proximidade para o desfile. Ainda sim, o ensaio deste domingo foi repleto de muita simpatia e integração com a comunidade. No início quando a escola ainda não evoluía, Giovanna com seu sorriso marcante levava o pavilhão da escola para que os componentes a beijasse. Durante o trajeto, Fabrício foi quem mais arriscou no bailado e houve momentos de integração com o segundo casal.

Samba-enredo

O samba de Marcelo Adnet e companhia tem sido um dos destaques dos ensaios da São Clemente e já estar pronto para o desfile, bem ajustado com a bateria de mestre Caliquinho. O andamento está confortável, ainda que tenha dado uma pequena acelerada já usual em relação à gravação do CD, mantém a leveza e alegria pelas quais foi concebido, mas também se firmando para colaborar com uma boa evolução da escola.

O intérprete Leozinho Nunes destacou o reconhecimento da obra em diversos locais em que a tem apresentado, destacando o trabalho do humorista Marcelo Adnet, um dos compositores do samba, de divulgar a canção da São Clemente.

“Hoje foi uma festa para o povo. Toda terça feira que a gente tem o nosso ensaio ele (o samba) rende. Ontem, eu estava cantando em um bloco em Bangu e Marechal Hermes e eu nunca vi um samba tão cantado da São Clemente como está sendo cantado esse ano. O Marcelo Adnet está cantando o samba da São Clemente onde passa e isso não é bom só para a São Clemente, isso é bom para o Carnaval porque hoje em dia a gente já não tem mais aquele meio de ir no programa em rede nacional e divulgar. E o Marcelo Adnet está com a gente divulgando a São Clemente e o samba. E o samba está rendendo muito”.

Bateria

Foram testados alguns movimentos que devem ser feitos já no recuo para a reorganização da bateria, além da própria entrada e saída dos ritmistas. Algumas bossas foram testadas como uma em que havia um desenho bastante interessante e marcante das cuícas. Mestre Caliquinho revelou que o samba está sendo trabalhado em 146 BPM (batidas por minuto), um pouco mais cadenciado que o ano passado e ressaltou a importância de ensaiar o deslocamento dos ritmistas da Fiel Bateria.

“O que agrega aqui é que traz a comunidade do Santa Marta e a comunidade de Botafogo toda pra cá e faz um bom ensaio na rua porque a gente não tem condições de andar lá na quadra. Já tivemos como testar as bossas andando e está tudo maravilhoso. Tivemos dificuldade com a chuva outro dia na Sapucaí e hoje então podemos testar tudo ‘direitinho’. Fizemos algumas bossas com a subida da cuíca ali junto com os tamborins. Tem uma bossa ali que é chocalho. Todos os naipes agora estão aparecendo na bateria. Tem umas surpresas ali na Avenida. Estamos trabalhando de 144 para 146. Esse samba não é muito corrido, ele é melodioso. Hoje trouxemos a bateria da São Clemente um pouco mais para trás para apresentar um samba-enredo”.

Harmonia

Na Praça Corumbá o que se pode destacar foi um grande número de espectadores que estavam ali apenas para acompanhar o ensaio da escola. Do meio para o fim, a comunidade se soltou e cantou com mais alegria e descontração que são a cara do enredo. Sem Grazi Brasil e Bruno Ribas, Leozinho mostrou o motivo de vir se destacando e guiou de forma destacada o samba da escola.

Evolução

Como já citado, o espaço da Praça Corumbá não permite um grande teste para a evolução pelo fato de não seguir uma linha reta e por ter desníveis, subidas e descidas, além de alguns espaços mais curtos. A escola, então, treinou mais neste sentido, os momentos de saída e entrada da bateria no recuo, deslocamento dos passistas e algumas alas coreografadas, como a que virá logo no início que se destacava no momento em que o samba dizia “a maré vai virar…” onde os componentes giravam.

Outros destaques

Em um momento de bastante descontração, mestre Caliquinho mostrou muito samba no pé ao dançar com a rainha Raphaela Gomes, cria da escola. As passistas da São Clemente também deram um show de samba no pé e elegância, arrumadas em um bonito vestido prateado com detalhes em dourado.

Por fim, Leozinho Nunes antes e após o ensaio, mostrando sua liderança e integração com a comunidade, a todo o momento lembrava aos componentes informações como horário de concentração no dia do desfile, além de coisas que os foliões podem e não podem levar, devem e não devem fazer.

Comentários