Última escola a desfilar na segunda noite de desfiles da Série Ouro, o Império Serrano, com o enredo “Mangagá”, encantou o público presente na Marquês de Sapucaí. A tradicional Velha-Guarda da escola, representando os griôs, brilhou em um bonito terno estampado nas cores do pavilhão.

Na África, os griôs são as figuras responsáveis por guardar, preservar e transmitir, através da oralidade, histórias, canções e mitos de seu povo. Nas escolas de samba, esse papel fica por conta das velhas-guardas. Até por isso, o Império Serrano deu esse papel à sua ala “de cabelos brancos”, como eles mesmo se chamam.

Em entrevista ao Site CARNAVALESCO, integrantes da ala falaram sobre a ansiedade e expectativa para o desfile da escola e o possível título. Apesar de confiantes, demonstraram muitos pés no chão e crença no bom trabalho feito pela escola. É o caso da faxineira Janeta Nascimento, que afirma ter gostado do desfile da coirmã União da Ilha.

“Eu acho que, pelo o que eu vi aqui, dá para o Império ganhar, não sei. A Ilha ontem passou bem, a gente tem que fazer melhor do que a Ilha. Desfilei ontem e hoje e acho que a Ilha passou linda. A campeã de ontem foi a Ilha e hoje, não sei. Espero que ganhe o Império. Se der tudo certo, a gente consegue. A expectativa é enorme, estamos todos ansiosos, mas a gente vem pra brigar e vamos ser campeões, se Deus quiser.”, afirmou.

Já a cuidadora de idosos Maria de Lourdes, apesar de também respeitar as coirmãs, acredita muito no trabalho feito pela escola, na busca pelo retorno ao Grupo Especial.

Respeitando as coirmãs porque todo mundo quer chegar ao primeiro lugar, nós vamos fazer a nossa parte para chegar ao título. Acho que dá para brigar pelo título, o acabamento tá perfeito, os carros também, os componentes estão com garra, agora os jurados que vão dar o veredito final. Temos que ter muito controle na ansiedade porque nós estamos vindo de uma temporada sem carnaval e agora voltando, estamos com muito expectativa.

Há 40 anos desfilando pelo Império Serrano, escola da comunidade em que nasceu, o taxista Edinho, além de afirmar acreditar no título da escola, se declarou ao Menino de 47 e o chamou de “minha vida”. Além disso, versou sobre a troca de comando da escola.

“É difícil até de falar, eu tenho quarenta anos desfilando, o Império faz parte da minha vida. A vida me fez Império e eu fiz do Império minha vida. Sou nascido e criado na Serrinha. A gente desfila pelo coração e hoje, estou vendo a escola com uma estrutura melhor, a diretoria é totalmente diferente da anterior e vamos ver na Avenida. Ver a escola bonita assim é lindo, há muito tempo que a gente não vê. Vamos vir com muita garra, emoção e muita evolução. Esse é o Império Serrano, de 82, 83, da década de 80 pra 90. Depois, devido a algumas administrações da escola, teve aquela queda. Todo mundo fala que a escola não tem dinheiro, tem dívida e todo mundo quer ser presidente. Hoje, você vê a escola, eles assumiram no meio de uma pandemia e olha como está. É muita satisfação. Império Serrano é coração.”, concluiu.

Comentários