A Acadêmicos da Grande Rio, quinta escola a entrar na Marquês de Sapucaí, trouxe o enredo “Tatalondirá, o canto do caboclo no quilombo de Caxias”. Que abordou a história de Joãozinho da Gomeia, o rei do Candomblé. A ala 1, nomeada de “Noites de Inhambupe”, falava sobre as visões infantis de medo de Joãozinho da Gomeia enquanto sonhava com elementos e símbolos da cultura popular.

A ala, composta por fantasias distintas e confeccionadas de forma artesanal, com retalhos, palha e plástico, era colorida e com cabeças que representavam vários bichos. Os componentes tinham o rosto pintado, e alguns usavam calças e outros saias.

Paulo Rocha, componente da ala explicou o significado da fantasia. “Quando Joãozinho da Golmeia era criança, ele não entendia o dom que ele tinha, e sentia medo das visões que tinha enquanto sonhava, achava que eram monstros. Por isso eu estou fantasiado de aranha”, conta.

Jocelina Angélica Vieira, que desfila na escola há 4 anos, disse gostou da fantasia, mas ficou um pouco receosa.

“Eu gostei, mas achei a cabeça um pouco pesada, tive um pouco de medo de virar, porque não queria fazer uma apresentação feia, mas acho que dificultou um pouco na execução dos passos”, desabafou.

Comentários