Por Karina Figueiredo

“Tira o preconceito do caminho”. Com um samba-enredo que diz não ao racismo e a outras formas de discriminação, a Acadêmicos da Rocinha levou para avenida o planeta primata, a nobreza à flor da pele negra, as vivências urbanas e o estrelato negro, representado pela menção ao Teatro Experimental Negro – companhia brasileira que atuou de 1944 a 1961 – na terceira alegoria. O movimento foi idealizado por Abdias do Nascimento, representante da luta contra a marginalização das populações afrodescendentes.

O carro alegórico apresentou diversas fotos de personalidades brasileiras que compõem o cenário cultural e popular. O ator Milton Gonçalves, que já atuou em mais de 40 novelas, e ainda foi indicado ao Emmy Internacional, foi um dos homenageados. A atriz Cacau Protásio também foi lembrada na alegoria.

“O carro alegórico é uma representação cinematográfica em que o negro vence todo o preconceito e consegue chegar ao seu apogeu. Há inúmeras personalidades ilustradas no carro que são memórias do nosso cinema brasileiro”, afirmou Célio Santos, que acompanha a escola há pouco mais de um ano.

Além da representação de personalidades brasileiras por meio de fotografias, a alegoria também contou com individualidades europeias. “Nosso objetivo é protestar contra o preconceito. Nós lutamos por isso, e essa é a grande proposta da Rocinha. Por isso temos recebemos uma variedade de pessoas de outros países, também representadas no nosso carro”, disse Marcio Lopes, apoiador da escola.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui