Por Matheus Mattos. Fotos: Felipe Araújo

A forte chuva que atingiu a escola anterior amenizou no ensaio da Tom Maior, porém alguns componentes continuaram sofrendo com a pista molhada. No último técnico, a agremiação ainda mostra que existem erros a serem corrigidos, principalmente no quesito de evolução. Com um andamento seguro e bossas estratégicas, a bateria Tom 30 foi o destaque da noite.

Comissão de Frente

A ala trouxe bailarinos com diversidade de cores. Foi notado, principalmente em frente ao
setor B, falta de sincronismo por parte de alguns integrantes.

Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira

O casal Jairo Silva e Simone Gomes bailou de forma mais lenta e cautelosa. A porta-bandeira sentiu desconforto com a sandália ainda em frente ao Setor A, optando por dançar descalça. A dupla veio com uma roupa mais leve e de cor branca.

Evolução

Foi notado pontos dentro das alas com falta de organização. Os componentes se distraiam e ocasionavam buracos. Logo em frente a primeira arquibancada, não houve uniformidade ao andar e foi notado o efeito sanfona, principalmente no terceiro e quarto setor.

Bateria

Comandada pelo Mestre Carlão, a bateria soltou paradinhas em lugares estratégicos e valorizou a sustentação do canto da agremiação. Por conta da chuva, a afinação das marcações foi prejudicada, mas logo corrigida pelos diretores.

Harmonia

Ainda nota-se pontos a serem melhorados no quesito. Algumas alas cantam menos que as
outras, e a uniformidade não é vista.

Samba-enredo

O intérprete Bruno Ribas manteve o alto nível em comparação ao desfile de 2018 e os últimos ensaios. A ala musical se mostrou bem entrosada, inclusive nos arranjos do time de cordas.

Outros Destaques

A Tom Maior optou por trazer um tripé logo atrás da comissão de frente. A ala das passistas, assim como no primeiro ensaio técnico, se destacaram pelo número de sambistas, homens e mulheres, e a coreografia durante diversos trechos do samba.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui