Neste dia 01 de maio é celebrado o dia do trabalho ou trabalhador. A data remonta ao dia 1 de maio de 1886, quando uma greve foi iniciada na cidade norte-americana de Chicago, com o objetivo de conquistar condições melhores de trabalho, principalmente a redução da jornada de trabalho diária, que chegava a 17 horas, para oito horas. Nessa manifestação, houve confronto com policiais, o que resultou em prisões e mortes de trabalhadores.

Apesar do momento de extrema crise financeira que traz como consequência milhões de desempregados no Brasil, o trabalhismo já conquistou inúmeras conquistas nos direitos dos trabalhadores, a maior delas a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), um decreto promulgado em 1943. Para celebrar o 1º de maio, o site CARNAVALESCO relembra nesta reportagem passagens marcantes em que desfiles trouxeram esta temática para o Sambódromo.

Recentemente, com o crescimento dos enredos mais politizados, o Paraíso do Tuiuti trouxe em seu enredo de 2018 “Meu Deus! Meu Deus! Está extinta a escravidão?”. O enredo abordava diversos aspectos da escravidão em nosso país ao longo dos séculos e culminava com uma crítica às mazelas do trabalhismo na atualidade. A fantasia “Guerreiro da CLT” veio no último setor do desfile vice-campeão e trazia a figura de um operário, para representar a classe trabalhadora, sobrecarregado com múltiplas atividades figuradas em vários braços e ferramentas, tentando se proteger dos constantes ataques à CLT com sua combalida carteira de trabalho como escudo. O desfile transcendeu o carnaval e se tornou pauta de discussões políticas nas redes sociais ao fazer críticas diretas ao ex-presidente da república, Michel Temer.

Mas a escola que pode ser apontada como a que trouxe mais enredos de aspectos progressistas para o carnaval foi a Unidos de Vila Isabel. Pelo menos dois desfiles da escola tocaram de maneira clara e explícita no trabalhismo. Em 1989, após conquistar seu primeiro campeonato em 1988 com ‘Kizomba, a festa da raça’, a Vila trazia outro enredo de temática de esquerda: ‘Direito é Direito’. Ilvamar Magalhães apresentou uma temática em homenagem aos 40 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Antes do desfile iniciar todos eles foram lidos anteriormente ao grito de guerra da escola.

O desfile que de fato homenageou os trabalhadores foi o de 2008. A Vila havia conquistado o título em 2006 e terminando na 6ª colocação em 2007. ‘Trabalhadores do Brasil’ foi a temática apresentada pelo carnavalesco Alex de Souza. O desfile apresentou as lutas por melhores direitos e condições de trabalho ao longo dos pouco mais de 500 anos do Brasil. A escola acabou por enfrentar muitos problemas e terminou na modesta 9ª colocação. Em 2016, a própria Vila Isabel homenageou o pernambucano Miguel Arraes, outro homem público importante na luta dos trabalhadores.

Em outros momentos os aspectos que lembravam a luta dos trabalhadores passou pela avenida. Getúlio Vargas é considerado um dos presidentes mais importantes para os trabalhadores. Esteve presente em diversos enredos na avenida, destaques para a Mangueira em 1956 e a Portela em 2000.

Comentários