Por Gabriella Souza e Victor Amâncio

O site CARNAVALESCO reuniu diversas figuras do samba, na noite de sexta-feira, no Baródromo, na Lapa, para realizar pela primeira vez seu Amigo Oculto dos sambistas. Entre presentes e lembranças a noite foi marcada por companheirismo entre os artistas que aproveitaram o clima de final de ano para rememorarem histórias de outros carnavais. Eles ainda puderam reencontrar antigos amigos e fazer novas amizades.

O amigo oculto de Jorge Silveira, carnavalesco da São Clemente, foi o compositor do samba da Mocidade para 2020, o também cantor Igor Vianna, e ele lembrou da semelhança que os dois possuem: ambos tiveram pais ligados ao carnaval. O carnavalesco deu de presente para Igor uma caricatura do cantor feita por ele.

“Foi muito legal ter tirado ele porque eu descobri que temos uma história de afinidade, o meu pai foi carnavalesco e hoje eu sigo essa função, o pai dele foi um grande intérprete e hoje ele segue essa mesma trajetória. Fiquei feliz por isso, admiro o trabalho dele, era muito fã do pai dele. Para mim foi um encontro muito bacana, estou muito feliz com isso”, comentou Jorge Silveira.

Igor Vianna tirou Macaco Branco, mestre de bateria da Vila Isabel. Contou que o conheceu quando cantava na Vila. Na época, Macaco ainda não tinha se tornado mestre. Disse que nos três anos de sua passagem pela escola, os dois criaram uma grande amizade.

“O Macaco Branco é um cara que eu respeito muito e tenho mesmo como um irmão. O meu primeiro desfile no Grupo Especial como cantor foi na Vila Isabel e ele estava como diretor de tamborim da Swingueira de Noel que na época era comandada pelo mestre Mug. Fiquei três anos na Vila Isabel e nós dois criamos uma grande amizade, mesmo depois que eu saí da escola. Graças a Deus estamos firmes e fico feliz em ter tirado esse grande amigo”.

Macaco Branco tirou Dudu Azevedo, diretor de carnaval da Beija-Flor, e lembrou ter trabalhado com ele em algumas produções para Grande Rio e Salgueiro. O mestre falou da sua admiração pelo diretor de carnaval.

“Para mim é um prazer imenso ter tirado o Dudu, uma pessoa que eu conheço no carnaval, nunca pude trabalhar com ele diretamente mas pude gravar umas produções quando ele foi diretor de carnaval da Grande Rio e quando foi diretor também do Salgueiro, e hoje ele está na Beija-Flor, uma escola que eu admiro muito e fazendo um grande trabalho. Tirá-lo no amigo oculto é uma honra e felicidade imensa presenteá-lo nesse amigo oculto”.

O diretor de carnaval da Beija Flor, Dudu Azevedo, tirou o intérprete Zé Paulo e falou da importância do cantor para criação de identidade de uma agremiação. Dudu parabenizou pelo desempenho na Viradouro.

“É uma alegria tirar o Zé. Desde sempre a identidade de uma escola de samba é o cantor, é a voz que conduz a escola. É o cantor que imprime uma cara para escola e o trabalho que ele está desempenhando na Viradouro é digno de aplauso. Ele já rodou, cantou na Mangueira, uma das escolas mais tradicionais do carnaval e hoje está na Viradouro, subiu com a escola do Grupo de Acesso para o Grupo Especial, permaneceu e faz um trabalho incrível. Quando ouvimos Zé Paulo e pensamos em Viradouro e vice versa. Ele alcançou a cara, a identidade que a gente sempre quer ver dos intérpretes em uma escola”, completou Dudu.

Zé Paulo tirou Ruan Lira, ex-secretário de Cultura do Estado. Disse que mesmo não o conhecendo muito se esforçou para achar um presente diferenciado que representasse algo do samba. O intérprete afirmou ter procurado CD’s, livros biográficos de Cartola e Candeia e não teve êxito. Por fim, o presenteou com camisa que representa o carnaval e o samba, para lembrá-lo da importância da festa. Zé Paulo disse esperar que o carnaval também se torne uma paixão para o político. Ruan não pode estar presente na confraternização. Ele tirou o diretor de carnaval da Grande Rio, Thiago Monteiro, e o presente foi entregue
através do site.

Thiago Monteiro tirou o carnavalesco Jorge Silveira e disse ser fã do artista. O diretor de carnaval lembrou da importância da união dos sambistas e agradeceu ao site CARNAVALESCO pela organização do amigo oculto dos sambistas.

“Eu sou fã do Jorge, ele é um talento do nosso carnaval, fiquei muito honrado de ter tirado ele e acho essa festa maravilhosa para nós do carnaval podermos nos integrar. Foi um ano pesado para nós sambistas, para nossa festa, e chegar no final do ano rodeado de amigos e confraternizando é muito legal. Precisamos estar unidos porque vai entrar um novo ano, o carnaval se aproxima e é bom confraternizar, somos adversários só na avenida, aqui
somos amigos”.

Raphaela Caboclo, porta-bandeira da Unidos da Tijuca,  tirou Junior Schall, diretor de carnaval do Paraíso do Tuiuti. O presentou com um livro porque soube que ele adora leitura e disse que a oportunidade serviu para conhecê-lo melhor. Caboclo confessou que tem o desejo de um dia trabalhar junto com ele por respeitar e admirar seu trabalho.

“Quando eu recebi o papelzinho fiquei muito feliz porque eu tive a oportunidade de conhecer o Schall. Confesso que eu tinha até mesmo um certo receio pela figura dele mesmo, por ser um homem  grande, no entanto, é um lord, um profissional que tem o maior cuidado e respeito em tratar todo mundo da melhor forma, não só os profissionais que trabalham diretamente com ele mas com toda a comunidade e as pessoas do samba em geral. É uma pessoa que eu admiro muito e espero que ele consiga obter todo o sucesso possível, porque ele merece. É muito dedicado e querido por todos. Fico feliz de poder ter dado esse presente para ele”, declarou Raphaela.

O amigo oculto de Júnior Schall foi o chefe de redação do site CARNAVALESCO Guilherme Ayupp. O diretor de carnaval do Tuiuti falou da paixão do jornalista pelo Flamengo o presenteando com uma caneca do seu time de coração. Guilherme Ayupp em seu discurso disse que o seu amigo oculto merece ser nome da sala de imprensa da Sapucaí. O jornalista tirou o seu parceiro e idealizador do site CARNAVALESCO, Alberto João, e falou da relevância do também jornalista para a mídia especializada.

Alberto tirou o presidente da Lierj, Wallace Palhares, o jornalista enfatizou a dificuldade em de estar na posição a qual Wallace ocupa e enfrenta para o carnaval de 2020. O amigo oculto de Wallace Palhares foi o intérprete do Salgueiro, Emerson Dias, e o presenteou o cantor com a camisa de uma paixão dele além do carnaval: o Vasco.

“Foi muito tranquilo tirar o Emerson, vascaíno roxo e a primeira coisa que eu pensei foi a camisa do Vasco, não tem erro, caiu como uma luva”.

Emerson Dias tirou o carnavalesco da União da Ilha Fran Sérgio. Disse que os dois são grandes amigos e ficou muito feliz de ter a oportunidade de presenteá-lo.

“O Fran é um dos grandes talentos na arte de fazer carnaval que nós temos, na arte de carnavalizar as ideias e o admiro muito. Fiquei muito feliz que tirei um grande amigo e tenho certeza que essa confraternização vai se perdurar por anos, porque essa integração do site CARNAVALESCO é muito importante. Que possam vir muitos outros amigos ocultos com todos juntos”, falou Emerson.

Fran Sérgio tirou Elmo, diretor da Liesa, e o presenteou com peça de carpintaria representando Jesus, Maria e José. Fran falou da importância de Elmo para o carnaval e o espaço que foi conquistado.

“Foi muito legal, desde quando comecei garoto o Elmo já era essa figura do carnaval, influente e lutando pelo carnaval, pela Cidade do Samba, por exemplo. É uma pessoa muito presente e que eu me espelhei também, foi gratificante e honroso tirar ele e dar esse presente que tem tudo a ver com o enredo da Mangueira”, encerrou Fran Sérgio.

O ex-presidente da Mangueira e atual diretor de carnaval da Liesa, Elmo José tirou o mestre-sala da Portela, Marlon. Ele falou da importância da renovação no carnaval sem perder a tradição e disse que Marlon representa isso muito bem.

“Para mim foi uma felicidade muito grande, a minha maior batalha é justamente defender as raízes da escola mas com renovação e ele, um garoto, tem a responsabilidade de levar o coração da escola, o santo no andor, onde toda escola quer se benzer. Marlon tem a responsabilidade de cuidar do pavilhão da Portela que é a maior campeã do carnaval. Desejo que Deus abençoe o caminho dele”.

O mestre-sala tirou a rainha de bateria da Estácio, Jack Maia, e disse que mesmo tendo pouco contato com a beldade ela mostra ser uma grande mulher.

“Eu não tenho muito contato com ela, mas eu já percebi que é uma pessoa iluminada, uma grandiosa mulher e uma baita rainha de bateria. Desejo para ela uma ótima virada de ano e um excelente carnaval para ela e toda nação estaciana”.

A rainha de bateria da Estácio de Sá tirou no amigo oculto a porta-bandeira da Unidos da Tijuca, Raphaela Caboclo. Jack não pode estar presente, mas enviou o presente.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui