Compositores: Dudu Nobre, Totonho, Julio Alves, Dudu e Fadico
Intérpretes: Tinga e Zé Paulo Sierra

Raiou, tupana tecendo o horizonte
E viu ao longe a escuridão de Yurupari
Annhyã-Muasawê, a perfeição no olhar de monã
Ao exalar o perfume da flor
Gerou a semente na tez da manhã
Brota às margens do igarapé
Fruto da inveja do próprio sangue
Sagrado encanto da castanha do mirim
Fez a serpente se lançar no kurumin

Auê povo Mawé, Waty testemunhou
A lágrima sentida pela dor
Aos olhos de kauhê, o amor não sucumbiu
Vermelho é a cor do Brasil!

Sateré mawé
O guardião da essência ancestral
Viu florescer waranã sessé
O elixir original
KIÔ KIÔ nosso brado pela mata
Ê Caraíba, o meu povo está de pé
Senhor, Que Cacique é você
Sem a força da Jurema e a flecha de Odé?
Por Onde queimam meu chão
Faz-se a lei mais obscura
Índio é dono do quinhão mesmo sem a escritura
Sou Cauê erê mirim, mais um filho brasileiro
A aldeia incorporada no terreiro

Sob o céu de Monã, minha tribo Tijuca
Evoca pra luta, a chama do bem
Resistência fez raiz em Galdinos, Raonís
O povo da mata não teme ninguém

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.