A Unidos de Bangu reuniu sua comunidade na noite desta quarta-feira no tradicional Cassino Bangu, coração da Zona Oeste, para apresentar o seu samba-enredo para o Carnaval 2020 e coroar sua nova rainha de bateria, Darlin Ferratry, mão da funkeira Lexa.

A intenção dos compositores do samba encomendado para o Carnaval 2020 foi desenvolver intencionalmente uma composição à imagem e semelhança da obra de 2018, que teve no refrão um dos maiores sucessos daquele carnaval, como conta Richard Valença, um dos compositores do samba, ao CARNAVALESCO.

“Fomos bem intencionais na linha de seguir a obra de 2018, chamo o refrão de pesado no bem sentido. Intenção é ser aquela coisa chiclete do afro. É um enredo que já passou várias vezes, por isso pensamos em criar uma linha cronológica com ele contando a história. É o nosso novo iabadiêiáiá”, conta.

Casal vai em busca de novo ‘gabarito’ depois de estreia espetacular

Estrear na Sapucaí é uma tarefa árdua para qualquer profissional. Mas Anderson Abreu e Elisa Xavier tiraram de letra. A dupla conquistou os 30 pontos em 2019 pela Unidos de Bangu e agora busca a afirmação, como conta a porta-bandeira.

“O nosso lema é trabalho. Não paramos, não temos férias. O ritmo é intenso de coreografia, ensaio em cima de ensaio. Só dessa maneira um casal consegue seu objetivo na avenida. Estamos buscando nossa afirmação nesse segundo ano à frente do primeiro pavilhão da Unidos de Bangu”.

Anderson Abreu traça um pequeno histórico da parceria da dupla e lembra que apesar da estreia ter acontecido em 2019, eles já dançam juntos há muitos anos.

“Dançamos juntos desde bloco, passamos por todos os grupos da Intendente, Há dois anos fizemos um concurso para ser o segundo casal da Unidos de Bangu e graças a Deus no ano passado recebemos essa chance de estrear como primeiro na Sapucaí pela escola. Conseguimos a nota máxima e em 2020 almejamos claro a repetição. É uma honra defender as cores do pavilhão da escola de nosso bairro” .

Mestre Léo e Igor Viana reeditam parceria

O mundo dá voltas e colocou junto na mesma escola novamente mestre Léo Capoeira e o intérprete Igor Vianna. O ritmista contou ao CARNAVALESCO que a bateria não sofreu nenhuma mudança significativa, apesar dos problemas enfrentados na avenida em 2019.

“Estou indo para o meu terceiro desfile seguido aqui na escola, comemorando meus 10 anos como mestre. Não vamos mexer em muita coisa. Manter o mesmo andamento adotado em 2019, que é de 146 BPM (batidas por minuto). Não vi necessidade em mudanças profundas. Tive um problema com a roupa que no ano que vem se Deus quiser será tudo do jeito que Deus quiser. O Igor Viana é um grande parceiro, desde a época de Tradição. Facilita muito trabalhar com ele”, elogiou.

Igor Vianna fará sua estreia como cantor da Unidos de Bangu, a mais antiga agremiação da Zona Oeste do Rio de Janeiro. Cantor da Alegria da Zona Sul entre 2016 e 2019, será a primeira vez que Igor defenderá um pavilhão na cosmopolita Zona Oeste.

“Quando o samba vem para o nosso lado a gente fica feliz. É um tema mais leve, o griô é um ser mítico africano, que tem a nossa história em sua essência. Aqui pela Zona Oeste digo que todas as agremiações recebem um carinho muito grande pelos moradores da região. Hoje tenho a oportunidade de ser a voz do mais antigo pavilhão da Zona Oeste. Estou com muita felicidade indo pra cima desse trabalho”, concluiu.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui