Entre sete escolas que se apresentaram na segunda-feira de carnaval na Marquês de Sapucaí duas fizeram desfiles que credenciam para disputa forte do título do Grupo Especial: Vila Isabel e Mangueira. A primeira em um estilo clássico e com muito luxo. A segunda no tom contestador, colocando o dedo na ferida, e mexendo com o público.

A Mocidade, que encerrou o Carnaval 2019, também fez um ótimo desfile e deve estar nas primeiras colocações na classificação final.

Abaixo, você pode conferir a análise de cada desfile.

SÃO CLEMENTE – Na abertura da segunda noite de desfiles do Grupo Especial, o público presente ao Sambódromo pode presenciar o reencontro da São Clemente consigo mesma. A preta e amarela de Botafogo voltou a passar pela avenida com sua reconhecida irreverência, em um desfile extremamente divertido, um chão forte e uma apresentação de enredo que até o desfile da escola foi o melhor visto no Grupo Especial até então. Credenciais que permitem afirmar que foi o melhor desfile da São Clemente desde 2015. Problemas em evolução e alegorias podem fazer a escola sofrer punição. A escola apresentou o enredo ‘E o samba sambou’. * CLIQUE AQUI E SAIBA COMO FOI O DESFILE

VILA ISABEL – Segunda escola a desfilar na Sapucaí, a Unidos de Vila correspondeu a expectativa gerada no período pré-carnavalesco e apresentou um desfile arrebatador, deixando para trás os anos com posições coadjuvantes e carnavais com baixa qualidade. Afastada nos últimos cinco anos dos desfiles de sábado, a agremiação não só certamente estará nas campeãs, como brigará pelo campeonato. O ponto alto foi a plástica perfeita assinada pelo carnavalesco Edson Pereira para ilustrar o enredo “Em nome do pai, do filho e dos santos – a Vila canta a cidade de Pedro”. Uma homenagem para cidade de Petrópolis. * SAIBA AQUI COMO FOI O DESFILE

PORTELA – No enredo que todo o portelense queria, a comunidade mostrou-se presente e entoou com força o samba-enredo em homenagem a Clara Nunes. Com as emoções à flor da pele, o componente da Azul e Branca teve o canto impulsionado pela bela atuação do intérprete Gilsinho, comprovando o previsto no pré-carnaval e fazendo o samba da Portela render muito bem na Avenida. * CLIQUE AQUI E SAIBA COMO FOI O DESFILE

ILHA – A União da Ilha do Governador deixou a Marquês de Sapucaí nos braços do povo depois de um desfile absolutamente arrebatador. Com a melhor apresentação desde a última vez que voltou às Campeãs, em 2014, a escola arrepiou o Sambódromo com a comissão de frente, que trazia o Padre Cícero voando. O trabalho de plástico de Severo Luzardo foi o melhor de sua carreira no Grupo Especial. Com tantas virtudes a escola, antes apontada como candidata ao rebaixamento, agora pode sonhar com uma vaga no Sábado das Campeãs. A Ilha concluiu seu desfile em 73 minutos e apresentou o enredo ‘A peleja poética de Rachel e Alencar no avarandado do céu’. * CLIQUE AQUI E SAIBA COMO FOI O DESFILE

TUIUTI – O Paraíso do Tuiuti veio para o carnaval de 2019 com a missão de superar o vice de 2018. Graças ao seu último desfile, onde impactou a todos os presentes com sua beleza plástica somada a crítica social, os holofotes desse ano se voltaram para a escola de São Cristóvão, que abordou novamente um enredo politizado. “O Salvador da Pátria” trazia a história do bode Ioiô com alusão a um certo político brasileiro “nordestino, barbudo, baixinho, de origem pobre, amado pelos humildes e por intelectuais”, como bem diz a sinopse. E ainda fazia uma crítica ao atual governante do país dizendo que o povo “iria conhecer um mito de verdade”. O bode, que viveu em Fortaleza no século passado, se tornou uma figura histórica da cultura cearense. A história conta que o protagonista e fio condutor do enredo foi eleito vereador em 1922 como forma de protesto a política local. O bode que hoje está empalhado num museu, virou um tema muito bem contado e conquistou os presentes na Marquês de Sapucaí. * CLIQUE AQUI E SAIBA COMO FOI O DESFILE

MANGUEIRA – Com o lugar de fala de quem carrega uma comunidade de milhares de pessoas, a Estação Primeira de Mangueira escreveu na madrugada desta terça-feira de carnaval uma página fundamental na história dos desfiles de escola de samba e dela própria. Cumprindo o papel fundamental de gerar no público o senso crítico e contestador, a escola fez uma apresentação arrebatadora e entrou na disputa pelo título do carnaval. A partir deste 05 de março de 2019 não será mais possível contar a história da Mangueira sem passar pelo desfile de hoje. A verde e rosa precisou de 71 minutos para apresentar o enredo ‘História para ninar gente grande’. A Estação Primeira foi a sexta a desfilar na segunda noite de apresentações do Grupo Especial. * SAIBA AQUI COMO FOI O DESFILE

MOCIDADE – Fechando o carnaval 2019, a Mocidade Independente de Padre Miguel certamente colocou uma pulguinha atrás da orelha de quem está na disputa pelo título. Ainda que tenha apresentado um conjunto alegórico com algumas falhas de acabamento, a Verde e Branca da Zona Oeste fez um desfile que mostrou a força de seus quesitos “de chão”, com o samba rendendo muito bem e mostrando competência em outros quesitos, como: comissão de frente, mestre-sala e porta-bandeira e bateria da agremiação. * CLIQUE AQUI E SAIBA COMO FOI O DESFILE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui