Compositores: Altayr Veloso, Paulo César Feital, Wescley Glória e Jhibran Moreira Velloso
Intérprete: Bruno Ribas

Pelo rio de lágrimas que derramei
Chegou a hora de me desforrar, nunca vi o mal vencer o bem
O amor nasceu pra triunfar

Vem meu amor pro Deus-dará
Madeira de lei não se deixa envergar
Se vergar não quebra, quem sobreviveu à treva é vencedor
Já pode vadiar
Vem meu amor pra festejar a volta do rei, meu pierrô, manda arrumar
Chama sua cigana que nossa festa profana começou, é hora de brincar

Não, não há tristeza capaz de se impor à delicadeza de um doce olhar
E nem a alegria do nosso tambor
Olha que beleza a realeza d’alma desse país
O Rei Momo voltou para restaurar o dom de ser feliz
E lá vem o moço da meia-noite e sua morena
A índia Jurema cheia de enfeite no cocar
Banda de Corso se calou na quarentena
Hoje levanta poeira no Boulevard
Recebe aplauso os heróis da Cruz Vermelha
Da Praça Onze até o Municipal
Bloco de sujo, Bola Preta e Zé Pereira
Vendem saúde nesse no carnaval

Salve Obaluaê, Atotô Omulu!
Sob o véu de palha, todos somos um
Vamos eu e você pra reverenciar
Na Pequena África, as curandeiras do Ifá

Viradouro é chão, Viradouro é mar,
Viradouro é coisa de amor tribal
Viradouro é fé pra contagiar,
Viradouro é festa de quintal

Comentários