Compositores: Felipe Filósofo, Fabio Borges, Ademir Ribeiro, Devid Gonçalves, Lucas Marques e Porkinho
Intérprete: Zé Paulo

Amor, escrevi esta carta sincera
Virei noites à sua espera
Por te querer quase enlouqueci
Pintei o rosto de saudade e andei por aí

Segui seu olhar numa luz tão linda
Conduziu meu corpo, ainda
O coração é passageiro do talvez
Alegoria ironizando a lucidez

Senti lirismo, estado de graça
Eu fico assim quando você passa
A avenida ganha cor, perfuma o desejo
Sozinho te ouço se ao longe te vejo

Te procurei nos compassos e pude
aos pés da Cruz agradecer a saúde
Choram cordas da nostalgia
Pra eternidade, um samba nascia

Não perdi a fé, preciso te rever
Fui ao terreiro, clamei: Obaluaê!
Se afastou o mal que nos separou
Já posso sonhar nas bênçãos do tambor

Amanheceu! Num instante já
os raios de sol foram testemunhar
o desembarque do afeto vindouro
Acordes virão da Viradouro

Tirei a máscara no clima envolvente
Encostei os lábios suavemente
e te beijei na alegria sem fim
Carnaval, te amo, na vida és tudo pra mim

Assinado: um Pierrot apaixonado
Que além do infinito o amor se renove
Rio de Janeiro, 5 de março de 1919

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.